Com o lançamento de seu novo single, “Skinny Dipping“, Sabrina Carpenter forneceu uma entrevista para a Teen Vogue, na qual ela fala sobre seu álbum, suas músicas e sua vida pessoal. Confira a tradução da matéria completa abaixo, além de algumas fotos fornecidas por ela.

 OUTROS | OTHER > TEEN VOGUE – SKINNY DIPPING

A cantora e compositora se abriu sobre seguir em frente, deixar ir, e seu novo single.

Será uma quarta-feira quando Sabrina Carpenter ouvirá o nome de seu ex e seu pedido em uma cafeteria e olhará para cima. Eles vão ter uma conversa cordial, Sabrina vai compartilhar uma atualização casual sobre sua irmã: “Shannon está sendo Shannon.” E de repente, anos após um fim tumultuado, eles não estarão mais nadando na beira do penhasco do qual logo transbordariam. Em vez disso, eles apenas existirão entre retrospecto, terapia e tempo, espirrando em águas passadas.

A imagem comovente vem do mais novo single de Sabrina, “Skinny Dipping”, uma primeira amostra de seu próximo álbum – que também será seu primeiro pela Island Records, um contrato que ela assinou em janeiro deste ano após quatro álbuns pela Hollywood Records, da Disney. Mas “Skinny Dipping” também é uma espécie de manifestação, um desejo de paz futura após um rompimento.

“Não senti naquele momento que estava em um momento no qual poderia estar literalmente nadando pelada em águas passadas”, disse Sabrina à Teen Vogue . “Eu não senti que estava curada e totalmente fora de uma mentalidade na qual eu não guardava nenhuma raiva ou ressentimento.” Em vez disso, escrevendo com os colaboradores Julia Michaels e JP Saxe, ela sonhou com um cenário em que havia trabalhado nesses sentimentos.

Ela explica tudo isso sentada em um café diferente, Martha’s Country Bakery, no bairro de Williamsburg, no Brooklyn, onde ela passou a maior parte do verão. São 11 horas da manhã e estamos dividindo um pedaço de seu bolo de escolha da popular confeitaria (embora deserta pela manhã). A fatia é chamada de Napoleão, um bolo com camadas de creme e amoras frescas. Bolo de café da manhã, nós brincamos. Ela está vestindo um cropped que ela mesma cortou, estampada com o rosto de sua amiga e parceira criativa, a atriz Danielle Fishel, como sua personagem Topanga de Boy Meets World .

Sabrina estrelou no spinoff do Disney Channel Girl Meets World por três temporadas como a confiante e caótica Maya Hart, melhor amiga de Riley Matthews (Rowan Blanchard), filha de Cory e Topanga . O show foi ao ar de 2014 a 2017 e foi seu papel de atriz de destaque, levando-a a mais papéis da Disney e filmes maiores como The Hate U Give e a comédia de 2020 da Netflix Work It . Mas a música foi o começo.

Como uma criança educada em casa crescendo em Lehigh Valley, Pensilvânia, ela postou covers de músicas pop no YouTube; ela disse a Marie Claire que seu pai construiu para ela um estúdio de gravação roxo na casa de sua infância aos 10 anos. Ela lançou seu primeiro single “Fall Apart” quando tinha apenas 11 anos, assinou seu primeiro contrato de gravação aos 12. Refletindo sobre a primeira música, ela está desacreditada, um pouco autodepreciativa. “Você já viu aqueles TikToks em que as pessoas estão conversando com seus eu de 10 anos? E eles ficam tipo, ‘Nós nos casamos com o Justin Bieber? Não, encontramos outra pessoa ‘”, ela ri, antes de se tornar mais introspectiva. “Ouvir aquela música específica – o que eu não recomendo que ninguém faça, mas como você já ouviu – eu realmente não acho que aos 10 anos eu percebia o que escrever músicas se tornaria para mim, e o quanto isso me traria de volta sanidade.”

Cada uma de suas eras de álbum – Eyes Wide Open, Evolution, Singular: Act I e Act II– a viram exercer um controle mais criativo enquanto ela procurava por seu próprio som em uma paisagem pop lotada. Seu próximo álbum é “o mais próximo” do controle total que ela consegue, diz ela, sem literalmente tocar bateria. Ela volta atrás – “Na verdade eu toco bateria em uma música, então isso é mentira”. Retomar esse poder a tornou ciente do que ela desistiu no início. “Assinei com minha primeira gravadora quando tinha 12 anos. Tipo, não sei que p*rra estou fazendo aos 12 anos”, diz ela. “Eu só estava tipo, eu quero fazer música, eu quero me apresentar e estar nos palcos. Isso é tudo que eu sabia. Então me encontrei em uma situação em que era muito complicado ser quem eu queria ser, e não sabia que estaria cedendo tanto dessa liberdade em uma idade tão jovem… Se eu pudesse voltar no tempo, eu não sei se eu teria lançado um álbum por volta dos 13 anos, se estou sendo honesta com você.

Ela se lembra de ter sido enviada para acampamentos de composição aos 17 anos, em salas onde se esperava que ela dissesse algumas palavras para inspirar os escritores e depois saísse para almoçar. “Eles não perceberam que eu era a pessoa que chegaria lá 30 minutos antes de todo mundo, e só sairia uma hora depois, e testaria vocais e vozes de fundo por horas”, diz ela. “O que for preciso.”

O álbum que ela está finalizando agora, o primeiro desde 2019, foi criado com apenas dois produtores, John Ryan (mais conhecido por trabalhar com One Direction) e Leroy Clampitt (Ashe, Phoebe Ryan, Justin Bieber). Sua playlist enquanto escrevia o álbum é abastecida com compositores: Stevie Nicks, Dolly Parton, The Beach Boys, Imogen Heap, Carole King, Taylor Swift, Joni Mitchell. Ela teve seus amigos Julia e JP –  quem ela chamou recentemente de “mãe e pai musical” – como co-compositores, escrevendo um contrato à mão para garantir que eles tivessem tempo para terminar o álbum juntos em Nova York no verão passado. Foi uma experiência de fazer um álbum mais intencional. Anteriormente, ela colecionava canções espalhadas por dias, semanas, meses até que um álbum fosse lançado. Agora, dava para arriscar e se esconder no estúdio com entrega de comida e champanhe, para levar para o telhado quando precisasse olhar a cidade em busca de inspiração.

“Este foi finalmente o álbum no qual eu pude apenas me divertir e brincar e não levar tudo tão a sério, porque não era tipo, você tem que ir ao estúdio e fazer uma música de uma maneira específica,” ela diz, lembrando como recentemente uma sessão de gravação se tornou divertida quando um produtor pegou dois morangos e os esfregou perto do microfone como percussão. “Era total e inteiramente só eu dirigindo o navio.”

Enquanto isso, ela teve um verão clássico em Nova York, após um ano de quarentena com sua família em Los Angeles. (Ela tem três irmãs mais velhas – Sarah, Shannon e Cayla – que ela chama de melhores amigas.) Ela e Sarah, que é dois anos e meio mais velha, se mudaram para o distrito financeiro de Manhattan em junho depois que Sabrina filmou um projeto em Atlanta na primavera passada. Ela disse a si mesma que passaria o verão em Nova York. “Eu só precisava de uma mudança de ritmo no geral”, diz ela sobre sair de Los Angeles “Mas há poucos lugares onde você pode ir que parecem tão enérgico. Então eu percebi que todos tinham a mesma ideia, e meus amigos estavam tipo, ‘Sim, verão em Nova York!’” Ela diz,“ Eu pensei que estava sendo criativa, eu não sou criativa. ”

A mudança de ritmo fazia sentido. Quando a pandemia começou no ano passado, Sabrina já conhecia bem o luto. Seu amigo, o falecido ator Cameron Boyce, havia falecido repentinamente em julho. Então, em abril de 2020, o avô de Sabrina faleceu. Se você esteve de luto por pessoas durante o COVID-19, deve conhecer a complexidade dos sentimentos, uma dor em várias camadas que pode ser difícil de compreender.

“É como uma parte que nunca totalmente …” ela para. “Há uma diferença entre deixar alguém ir e saber que um dia você pode ter respostas, e entre deixar alguém ir e saber que você nunca terá… Estar presente, isso é outra coisa que aprendi com aquelas experiências particulares de perda. Se você não estiver presente no momento, você nunca sabe o que estará perdendo. Agora, essas memórias eu guardo tão perto do meu coração, e isso é tudo que posso fazer. Para o resto da minha vida, sabendo que essas pessoas me mudaram.”

“Todo mundo lida com isso de uma maneira diferente, e a forma que sempre escolhi para lidar com isso é sabendo que agora tenho pessoas que estão cuidando de mim, não importa o que aconteça. Eu tive isso em experiências anteriores também, mas tudo isso acontecendo durante um período tão feroz para todos mentalmente, não foi bonito”, ela continua. “Não havia nada de bonito nisso e nada que eu quisesse fazer, exceto me esconder e estar em uma concha e chorar. Definitivamente, é algo no que ainda estou trabalhando.”

E então, é claro, Olivia Rodrigo lançou seu hit repentino “cdrivers license” em janeiro de 2021, e Sabrina se viu envolvida na história da florescente cantora e compositora pop. Os fãs especularam que Sabrina era a “garota loira” da música, que parecia fazer referência ao rompimento de Olivia com seu co-estrela de High School Musical: The Musical: The Series, Joshua Bassett. Exatamente duas semanas depois, Sabrina lançou uma espécie de refutação, o single “Skin”. Entre algumas das falas mais céticas – “Talvez você não quisesse dizer isso, talvez loira fosse a única rima” – e as farpadas – “não enlouqueça” – é outra manifestação. A ponte cria uma nova cena: “Só espero que um dia nós dois possamos rir disso, quando não estiver na nossa cara, não vamos ter que dançar em torno disso”.

A música provocou respostas mistas, mas para Sabrina, parecia errado ignorar a situação completamente – e esperar para lançar. “Senti que, naquele momento, a coisa mais honesta seria lançá-la quando refletisse com precisão o que estava acontecendo na minha vida”, diz ela. “Porque isso é literalmente tudo o que faço, é escrever sobre minha vida e minhas situações, não apenas minha vida, mas a maneira como vejo o mundo através das situações que estou vivenciando, das pessoas que estou vivenciando. Então depende de todos os outros e do que eles decidem fazer a respeito. Você sabe o que eu quero dizer?”

Digo a ela que parece com a maneira como Olivia falava sobre “drivers license”, sobre como, uma vez que você lança uma música, ela não é mais sua. É um tanto contraditório com uma das falas de “Skin” – “Talvez então pudéssemos fingir que não há gravidade nas palavras que escrevemos” – mas também é muito vital ser capaz de continuar a escrever músicas. Se você estiver analisando excessivamente todas as maneiras pelas quais algo pode ser percebido ou fofocado, você pode não escrever absolutamente nada.

“Acho que uma coisa importante que me propus a fazer quando comecei a escrever meu próximo álbum no geral foi o fato de que eu estava tipo, ‘Se eu começar a me preocupar demais sobre quando as pessoas ouvirem e o que vão pensar sobre isso, eu não vou ser honesta, eu realmente não vou escrever o que realmente quero escrever ‘”, diz Sabrina. “Porque terei consideração e pensarei nas pessoas que amo e me importo, o que é bom e ruim ao mesmo tempo … Posso escrever sobre as experiências de outras pessoas, mas simplesmente não acho que seria capaz de entender as emoções das outras pessoas da maneira que posso tentar entender as minhas. E sim, acho que há alguma verdade quando você lança uma música que não é mais sua, mas também acho que há muitas verdades diferentes, e acho que cada situação depende muito da situação. Isso muda, varia.”

Ela e Olivia compartilham uma admiração mútua por Taylor Swift, uma artista que também teve sua música escolhida para personagens de celebridades e inspirações da vida real. “Quando penso em músicas que talvez eu tenha lido na Tiger Beat quando criança, tipo, ‘Oh, essa música é sobre essa pessoa.’ Mesmo no momento, eu ficava tipo, ‘Uau, vou seguir com o meu dia’”, diz Sabrina. “Não é o foco. Eu sempre ouvia as músicas da Taylor Swift e, literalmente, tinha esses filmes na minha cabeça da minha vida e das pessoas que estavam nela e da forma como eu me relacionava. Isso é o que eu espero fazer com minhas músicas, ser capaz de não ter as pessoas se importando tanto com quem, por que ou o que aconteceu na minha vida — esse é um segredo que eu nunca vou contar”, ela ri, fazendo a referência de ‘Gossip Girl’. “Eles podem conspirar o quanto quiserem, mas estão perdendo muito tempo, porque não importa.”

Essa ideia de escrever como se ninguém estivesse ouvindo está ligada ao que gerou este álbum: um e-mail prolixo e “caótico” de um ex não identificado cerca de dois anos atrás, no qual ele desabafou sobre o rompimento deles usando pouquíssima pontuação. A estrutura a inspirou. Em vez de uma ferramenta de trabalho sitiada, ela viu uma oportunidade de fazer algo por conta própria. Ela começou a escrever e-mails que nunca enviaria para as pessoas, para situações.

Mais tarde, ela olhava para os e-mails e ficava chocada com o quão sincera ela era, mas pequenas falas ou pensamentos se destacavam e se tornavam letras. “Muito disso veio do lado do humor das coisas. Eu estaria lendo e pensando, ‘Oh meu Deus, isso é tão terrível, como eu disse isso?’ ”, Diz ela. “Então viraria uma música. A maioria das músicas que aconteciam era eu pensando, ‘Oh meu Deus, isso é terrível, eu não posso dizer isso’, e então eu digo, mas por três minutos. ”

Uma dessas tentativas é uma música que ela chamou de “intro” com um emoji de e-mail quando ela tweetou parte dela em agosto. No vídeo, ela se senta ao piano, expondo algumas falas brutalmente autoconscientes sobre si mesma que também aludem ao relacionamento de seus pais: “Graças a você, não consigo amar direito”, diz uma delas. “Eu pego caras legais e os vilanizo.” Quando ela começou a escrever a música, ela disse, ela estava pensando em ninguém nunca ouvir essas coisas.

Essa música começou com sua última linha, sobre admirar alguém que falhou com você. Mesmo olhando para frente, ela olha para trás e vê como ela via o mundo quando criança e adolescente em comparação com agora. As emoções são cruas: raiva, medo, ressentimento, traição. “É um pouco doloroso a forma como as coisas mudam e se deterioram, e os relacionamentos meio que se perdem e fracassam ou têm coisas das quais você realmente não pode voltar”, diz ela. Ela se vê revisitando experiências passadas repetidas vezes, algo que ela mencionou na terapia recentemente como uma frustração. “Eu estava tipo, ‘Me sinto como um disco quebrado’, e meu terapeuta me corrigiu. Ele disse, ‘Você é um disco arranhado, você não está quebrado. Um recorde quebrado não tocaria merda nenhuma. Um disco arranhado sim. E um arranhão é algo que cura.’ Eu frequentemente me encontro voltando para temas que eu ainda nao processei totalmente, porque leva tempo.”

Sabrina passou o verão em Nova York marcando presença, trabalhando no estúdio e passando noites com velhas e novas amigas, como a estrela de Gossip Girl, Whitney Peak. Ela toca músicas do álbum para seus amigos quando eles saem – eles sempre têm pedidos, já que Sabrina não compartilha links, apenas as toca pessoalmente. “Eu não sou o tipo de pessoa que fica com os amigos tipo…” ela coloca uma voz grossa, “’Você tem que ouvir essa nova faixa que acabei de compor’”. Mas ela sempre gostou de compartilhar essas partes de si mesma com seus amigos próximos e ver como eles as interpretam para suas próprias experiências. Recentemente, ela tocou para Whitney uma música que ela estava considerando para o álbum, e a atriz começou a “chorar de soluçar totalmente.” Embora o álbum faça referência ao passado e ao futuro, ele também reflete a cidade e a estação em que Sabrina o fez: “Tem sido uma espécie de trilha sonora estranha e inesperada para o nosso verão”.

Com o fim do verão, Sabrina tem uma série de projetos no horizonte, além de seu álbum – ela lançou sua produtora At Last Productions no início da pandemia, e ela está produzindo e estrelando uma adaptação musical de Alice no País das Maravilhas para a Netflix . Ela também está trabalhando com Danielle Fishel para estrelar e ser produtora executiva da adaptação The Distance From Me To You, para a HBO Max. Ela adora uma história de amadurecimento e a considera perene: “Estamos sempre amadurecendo”.

Isso parece verdade. Nós envelhecemos, revisitamos o passado e manifestamos o futuro. Abandonamos um pouco a infância para perceber que as pessoas são humanas, que cometemos erros. Por enquanto, o sol está brilhando em um lindo dia no Brooklyn. Mais tarde, ela irá para uma sessão de estúdio. Mas primeiro – ela está embrulhando o resto de Napoleão meio derretido para levar para casa para sua irmã.