Em entrevista para o site Official Charts, Sabrina Carpenter falou sobre seu último lançamento musical, “Fast Times”, sobre como é trabalhar com os cantores e compositores Julia Michaels e JP Saxe e como sua vida mudou ao longo da pandemia do vírus COVID-19.

Leia a tradução:

Sabrina Carpenter precisa de velocidade em “Fast Times”, seu novo single inesperadamente fluido, que inicia seu 2022 com um estrondo.

A introdução de seu próximo quinto álbum de estúdio (e o primeiro desde que assinou com a Island Records nos EUA e Polydor no Reino Unido), Sabrina atinge o caminho em uma faixa inspirada em nomes como Fiona Apple e Lana Del Rey, todos sobre jogar a cautela ao vento e atravessar os estágios prospectivos de um relacionamento.

Fast Times” segue a partir de um 2021 muito ocupado para Sabrina – no início do ano, “Skin” se tornou sua primeira entrada no Top 40 do Reino Unido, bem como um dos nossos singles favoritos do ano.

Entramos no Zoom para conversar com Sabrina sobre seu novo single, trabalhando com sua mãe e pai compositores Julia Michaels e JP Saxe, bem como tudo o que os fãs podem esperar de seu novo álbum…

Olá Sabrina! Muitas pessoas têm antecipado novas músicas suas – o que fez de Fast Times o acompanhamento ideal para “Skinny Dipping” e “Skin”?

Eu acho que foi realmente o fato de que essa música parecia um pouco inesperada. [Ela] apenas preencheu um espaço onde eu não tinha me ouvido fazendo algo assim, ou realmente qualquer outra pessoa ao meu redor. Eu realmente queria um momento onde eu pudesse apenas curtir a vida, eu não conseguia parar de escrever músicas tristes! Então, quando escrevi Fast Times, eu queria pular de uma ponte. Eu não recomendaria, mas você sabe o que quero dizer? Eu só quero viver. Eu só quero amar minha vida, e não quero perder mais tempo.

As referências sonoras que você está puxando para a música são realmente interessantes. Podemos ouvir, pelo menos no começo, um pouco de Fiona Apple da era Tidal…

Você não é a primeira pessoa a dizer Fiona Apple, o que é muito legal. Eu sou uma grande fã.

É uma verdadeira mudança em relação ao seu material anterior também. Como você girou?

Fiz uma pequena transição na pandemia – assinei para [minha nova gravadora] Island [Sabrina assinou contrato com a Polydor no Reino Unido]. E não havia dúvida de que eu queria fazer música inspirada nas coisas que cresci ouvindo; que é basicamente todos os instrumentos orgânicos. Tipo, eu amo o novo álbum do Silk Sonic porque me lembra muito isso.

Tenho muita sorte de ter liberdade criativa e controle para poder [pivotar em termos de som]. Eu sempre quero experimentar. Sigo os sons que me excitam.

Falando em emoção, precisamos muito falar sobre a transição de “Fast Times”! Onde, de repente, o chamber-pop para e você traz violinos pós-disco e uma guitarra elétrica (!)

John Ryan [que trabalhou com One Direction e Charlie Puth] produziu essa música. Isso realmente leva você a continuar ouvindo e então simplesmente explode. A linha de baixo nessa música é ultrajante. Quando a guitarra entra, parece enorme. Nós apenas nos divertimos muito com isso.

Você co-escreveu essa música com Julia Michaels e JP Saxe, que também escreveu Skinny Dipping. Parece que você encontrou uma verdadeira parceria lá.

Ugh, minha mãe e meu pai. Meus pais. Eu não poderia ter pedido uma equipe com a qual me sentisse mais segura. Estar em uma sala com pessoas emocionalmente inteligentes é como… uau. Poderíamos ter escrito continuamente. O engraçado é que Skinny Dipping inicialmente começou com uma letra que escrevemos para Fast Times, mas achamos que merecia uma música própria.

Eu sou apenas a maior de ambos – separadamente e juntos. Então, sempre que você conseguir capturar uma emoção tão bem em uma música, você pode dormir bem à noite.

Nós assumimos que isso significa que você está trabalhando com eles para o álbum então…

Eu tenho! E alguns outros… estou apenas animada. Estou tão animado. Parece que faz tanto tempo falando sobre música e falar sobre isso é o pior. Você quer ouvi-lo. Você só quer que as pessoas sintam isso.

E por falar no álbum! O que você tem ouvido para isso?

Muito Carole King, curiosamente. Muito Carly Simon e estranhamente muito Queen? Esses são ótimos, ótimos discos. Joni Mitchell também foi um grande. Obviamente. Eu não conseguia parar de ouvi-los ao escrever este álbum.

FONTE.