Sabrina Carpenter estampou a capa da revista Flaunt Magazine do mês de Junho, da edição In The Garden, e concedeu uma entrevista exclusiva na qual falou sobre seu novo filme, Emergency, sua produtora, At Last Productions, sobre a maioridade na quarentena, e muito mais. Confira abaixo toda a matéria traduzida pela nossa equipe, vídeos do ensaio fotográfico e as respectivas fotos em alta qualidade:

Em algum lugar sob os raios dourados do sol da Califórnia, a muda de uma papoula azul do Himalaia intocada começa a brotar. O caule torna-se esguio, mas robusto. As raízes ramificam-se rapidamente, aprofundando-se no solo calcário. As pétalas se dobram e se desdobram, sedentas por chuva, às vezes caindo melancolicamente em silêncio absoluto. O aroma permanece tão doce como sempre, a impressionante folhagem em tons de azul um vislumbre de um tesouro sob meticulosos desafios de crescimento. A confiança é uma flor delicada e precisa ser nutrida como tal. Sabrina Carpenter – atriz, cantora e produtora – sabe disso. A carreira da jovem de 22 anos floresceu rapidamente, vendo Carpenter percorrer todas e quaisquer avenidas artísticas que despertam seu interesse.

É o início da tarde em Atlanta quando me conecto com Carpenter pelo Zoom, enquanto ela oferece suas desculpas por acabar de  acordar e “soando como um homem” depois de filmar a noite toda para seu novo filme de comédia e suspense Emergency. “Ontem à noite, estávamos no set e eles começaram a tocar ‘No Diggity’ às 3 da manhã na floresta”, ela exclama com entusiasmo, “e todos se levantaram, e a música estava explodindo no meio da floresta, e todos nós começamos a cantar. Foi o melhor. ” Então ela brinca: “Ainda não me acostumei em ser um morcego, mas estou me ajustando”.

Apesar de sua agenda exigente, a artista parece calma, controlada e confiante, e me sinto como se estivesse conversando com um velho amigo, em vez de conversar com uma superestrela que criou uma grande base de fãs por meio de seu papel revelador há dez anos no seriado da Disney “Garota Conhece O Mundo”. Discutimos calorosamente sua carreira de cantora, embora ela recue com a simples menção de sua performance em uma competição de canto da Miley Cyrus aos dez anos de idade, balançando um fedora e uma camiseta do símbolo da paz. Tudo isso está no espelho retrovisor agora, à medida que Carpenter avançou a toda velocidade desde seus dias na Disney, recentemente finalizando a produção de Tall Girl 2 em Nova Orleans, conseguindo um contrato com a Netflix para produzir uma versão musical de Alice no País das Maravilhas por conta da própria produtora, tudo isso enquanto criava um quinto álbum de estúdio.

O projeto atual de Carpenter em Atlanta, Emergency, é baseado em um curta-metragem de Sundance de mesmo nome, o roteiro se tornou um longa-metragem. Os detalhes do filme são mantidos em sigilo, mas a trama gira em torno de um grupo de vários estudantes universitários a caminho de uma noite de festa enérgica quando eles se envolvem nos perigos de uma emergência incomum. “É um filme muito divertido e cheio de ação”, observa Carpenter enfaticamente. “Ter tanta energia no meio da noite não é geralmente o meu forte, porque sou muito mais uma pessoa matinal. Tem sido uma experiência muito interessante, ficar maluca por volta das onze e ter que ser profissional quando geralmente sou muito boba.”

Se você se perguntasse o que estava fazendo aos 21 anos, provavelmente não seria a proeza de fundar sua própria produtora, mas Carpenter se destaca em uma demonstração vibrante de esplendor. Sua busca por assumir o controle de sua visão individual acumulou-se com a fundação da At Last Productions. “Eu sempre soube que queria produzir”, ela conta, “porque sempre me vi no set olhando as coisas com um chapéu de produtor. Eu sabia que não poderia dizer coisas e extrapolar. Tratava-se de ter ideias e apenas abordar as coisas com um ponto de vista forte e descobrir as melhores maneiras de fazer as coisas acontecerem. Eu realmente queria fazer coisas nas quais não estivesse necessariamente dentro.”

A visão primária de Carpenter para Alice, atualmente em pré-produção, encantadoramente veio de sua fixação ao longo da vida com o personagem extremamente curioso, até mesmo ter uma festa de 16 anos com o tema “Alice no País das Maravilhas”. Carpenter vai estrelar e produzir a reimaginação contemporânea baseada no conceito de um festival de música chamado “Wonderland” ao lado de seus produtores da comédia musical de dança da Netflix, Work It. “Minha esperança é dar vida a uma versão da história que ninguém nunca viu antes”, ela enfatiza. “Contar a história através da música é fundamental. Quero trazer pessoas com uma visão dinâmica. Cinematografia é algo muito importante para mim e adoro quando as coisas são filmadas de forma abstrata. Porque essa história é tão extravagante e sobrenatural, quero torná-la real e sobre pessoas reais, mas também fora da sua imaginação.”

Desde o início da pandemia, Carpenter encontrou a si mesma entrelaçada aos mundos do cinema e da música, uma quarentena duplamente imbuída de sentimento e solidão. O tempo para si mesma levou a uma evolução em suas habilidades líricas e formação de autonomia musical. “Isso me deu, como Sabrina, a oportunidade de ficar um pouco mais próxima com minha própria voz e comigo mesma”, diz ela. “Ficar sozinha em uma sala com um piano e ser capaz de enviar essas ideias para meus amigos, e não ter que ser pensado demais ou tocado demais foi ótimo. Isso me deu um pouco mais de tempo, enquanto antes eu tinha que sair do estúdio com uma música completa e nada antecipadamente. Eu tento não entrar com uma missão específica de algo que eu quero fazer, porque isso pode te levar para o caminho errado e não permitir que você seja o mais criativo possível.”

Carpenter e eu choramos brevemente pela melancolia de nossos longos e perdidos aniversários quarentenados de 21 anos, na ausência de uma mania ritualística de bares cheios de bebida.“Eu aprendi minha tolerância ao álcool na privacidade da minha própria casa, o que foi ótimo, porque não há risco nisso!” ela ri com otimismo. Quando questionada sobre o que marcou de maneira memorável seu crescimento no ano passado. Sinto que os anos 20, aos meus olhos, é uma época tão emocionante, porque estou pronto para sentir o máximo que puder e, seja isso bom ou ruim, é tudo útil. ”

A aceitação de Carpenter do espectro emocional é bem evidenciada por seu foco inabalável na música. Ela logo produzirá seu quinto álbum de estúdio altamente antecipado, que ela compara ao seu “universo sônico” que ela está moldando no momento. “Toda essa quarentena tem sido tipo, ‘bem, você sabe o quê, não precisa ser perfeita. Vou apenas colocar como está, c’est la vie, e ver como vai” ela diz, “porque eu vou lançar algo e vai ser como, ‘Ah, eu gostaria de poder mudar isso só um pouco’. Então, estou tentando não pensar demais agora, mas estou tentando ter certeza sobre a história que quero contar. Então, estou demorando muito com isso. ” No meio do cuidadoso processo de composição de Carpenter, ela se mantém firme de que é talvez a mais inspirada que já teve com “tanto para cobrir e resolver”.

Trazendo influências de nomes como Dominic Fike (ela diz que sua música “The Kiss of Venus” com Paul McCartney é uma de suas favoritas), Julia Michaels e os artistas atemporais Sonny & Cher e Marvin Gaye, Carpenter está se mantendo fiel às suas raízes, enquanto também muda naturalmente introspectivamente. “Acho que os fãs ficarão positivamente surpresos com a narrativa desse álbum em comparação com outros álbuns”, ela reflete. “Esse, mais do que todos, é muito específico para mim, minha vida e minhas histórias. Antes, o jeito que eu escrevia era um pouco mais para todo mundo e um pouco menos para mim. Esse é mais íntimo.”

“Skin”, primeiro single de Carpenter do álbum, ecoa nuances da turbulência emocional que Carpenter enfrentou no calor das opiniões do público. O videoclipe para a canção, filmado em uma casa vintage com um interesse amoroso de cair o queixo, Gavin Leatherwood, retrata o casal amaldiçoado pelo ambiente ao redor deles em colapso – condenados por terremotos, chuva, neblina e neve. A aparência parece ser sinônimo da negatividade que Carpenter tem recebido ultimamente da mídia. “‘Skin’ foi o resultado de muitas experiências nas quais me baseei”, explica ela. “Lembro-me de tentar escrever em torno disso, e tentar evitar, e dançar em torno do assunto. Eu estava tentando escrever qualquer coisa, menos isso. E então eu acho que escrevi e pensei, ‘Talvez ela viva no mundo, talvez não’. Eu senti que era o momento certo para fazer aquela música e expressar o que eu estava sentindo e passando. Era uma perspectiva diferente da que muitas outras pessoas estavam passando na época, mas era a minha verdade. Senti-me obrigada a escrever exatamente como me sentia.”

A fama é certamente um aspecto que Carpenter se acostumou com o tempo, mas que garantiu que ela aprendesse que você colhe o que planta. Ela confirma que a confiança não é mais algo que ela renuncia com tanta facilidade. “Quando eu era mais jovem, costumava confiar nas pessoas com muita facilidade”, afirma. “Achava que as pessoas eram tão boas, o que ainda é verdade, e ainda acredito que as pessoas são naturalmente boas. Mas com o tempo, aprendi que algumas pessoas não gostam de você, não têm motivos para gostar de você ou se sentem  ameaçadas por você, o que tem sido anos e anos de experiências diferentes. Isso sempre foi uma coisa muito difícil para mim, porque eu realmente sempre quis ser amiga de todos. Tem sido uma difícil montanha-russa de aprender como as pessoas são na realidade e saber o que é necessário para ter uma armadura para se proteger, ao mesmo tempo em que é vulnerável em sua arte e permitir que as pessoas entrem em sua vida.”

Discutindo sobre o single, o tópico de sua roupa na performance do GLAAD award veio à tona, assim como as roupas com base nas influências do estilo jovem, como Carpenter. Com a conversa sobre o memorável vestido verde, veio a pergunta de como o estilo distinto de Carpenter se desdobrou ao longo do tempo. “Meu estilo está constantemente encontrando novas versões de si mesmo enquanto permanece Sabrina”, ela comenta. “Sempre houve uma sensação de infantilidade no que visto, mas eu também gosto muito de estar arrumada. A pior coisa que posso fazer é escolher um estilo, um corte e usá-los para sempre. Eu nunca quero me colocar em uma caixa.”

A paisagem alterada da indústria de turnê é uma faceta particular que a pandemia destruiu e que Carpenter anseia, desejando profundamente o retorno à conexão face a face com seus fãs. “Quando você está em turnê, você acha que fazer turnê é a pior coisa, porque você está cansada o tempo todo e exige muito de você”, diz ela. “Então, quando você tem essa pausa, é uma lufada de ar fresco. Mas ficar longe disso por tanto tempo foi simplesmente estranho. Como também não poder estar com meus companheiros de banda, que são alguns dos meus amigos mais próximos. E poder interagir com meus fãs diariamente. Eles dependem do Twitter e do Instagram para falar comigo, e eu sou péssima nisso.”

A aversão de Carpenter pelas redes sociais é um sentimento ecoado por muitas outras figuras famosas, especialmente por seu impacto drástico e destrutivo na saúde mental. “Acho que todo mundo chega a um ponto em que fica tipo, ‘Quer saber? Vou ir lá pra fora e dar uma caminhada.’ Então, cheguei a esse ponto. Agora parece um pouco mais vago e atmosférico. Não percebemos o quanto dependemos delas e quanto as consumimos. Estamos consumindo coisas que não queremos ver, mas surge na nossa frente e está lá, e estamos presos aos nossos sentimentos. Mas acho que a melhor coisa para mim, às vezes, é simplesmente não olhar.”

Apesar do distanciamento que todos enfrentamos, a esperança está no horizonte, e Carpenter está ansiosa em relação ao retorno à normalidade. Mesmo morando atualmente em um hotel entre as sirenes estridentes de Atlanta, Carpenter permanece otimista. “Mesmo quando as coisas estavam piorando, eu sempre ficava tipo ‘Há uma luz no fim do túnel’ ou ‘O sol vai nascer amanhã'”, declara ela com humor. “É muito emocionante pensar em compartilhar essas coisas que adorávamos fazer o tempo todo, como ir a shows, cinemas, patinação no gelo, patinação e coisas divertidas que eu costumava fazer com meus amigos que eu  não consegui fazer ultimamente.”

O entusiasmo de Carpenter é similarmente compartilhada em sua ansiedade de voltar aos palcos cintilantes da Broadway em Nova York. Seu debut na Broadway ocorreu no pior dos momentos em março de 2020, como o papel principal de Cady Heron em ‘Meninas Malvadas’, de Tina Fey. Embora apenas dois shows tenham ocorrido antes da iminente desgraça apocalíptica, o processo de ensaio de dois meses ajudou a facilitar um vínculo familiar para o elenco, uma energia imediata que Carpenter diz ser única para o trabalho no palco. “Foi o empurrão que eu precisava e queria”, ela afirma. “Não tem realmente nada como isso, onde você termina o show. São alguns dos momentos mais felizes e puros que o dinheiro não pode comprar.”

Momentos joviais certamente estão reservados para o futuro de Carpenter, e pelo brilho de seu comportamento, você tem a impressão de que ela pode simplesmente chegar ao topo da fama de produção. Plantar novas sementes certamente não é nada fora do alcance da estrela. “Estou sempre lendo histórias para ver se há pepitas de certas coisas que posso transformar em algo maior”, conclui ela. “Eu gostaria de forçar os limites de qualquer maneira que eu puder.” E aí está Carpenter, uma Papoula Azul, firme e animada como sempre contra as desgraças enfrentadas pelos arbustos ressecados da Califórnia.

ENSAIOS FOTOGRAFICOS | PHOTOSHOOTS > 2021 > FLAUNT MAGAZINE
CAPTURAS | SCREENCAPS > PHOTOSHOOTS > FLAUNT MAGAZINE