Na tarde de ontem, 26, Sabrina Carpenter compareceu ao evento virtual da Forbes Under 30, o ‘Summit Kickoff‘, que reuniu líderes e empreendedores presentes na lista 30 under 30 dos últimos 10 anos.

Ela participou do painel ‘Reescrevendo Antigos Paradigmas: Por que a juventude não é desperdiçada com os jovens‘, junto de Jarrid Tingle e Madeline Berg.

No evento, Sabrina Carpenter falou sobre ‘Alice‘, o filme que ela irá estrelar e produzir, após ter vendido o projeto por sete dígitos para a Netflix pelo Zoom.

No Forbes Under 30 Summit Kickoff, Carpenter e Tingle conversaram com a redatora da equipe da Forbes , Madeline Berg, sobre como a Covid-19 os desafiou a ter o ano de maior sucesso de suas carreiras.

Carpenter tinha acabado de fazer sua estreia na Broadway em Mean Girls antes que a pandemia fechasse os teatros em março. Com menos tempo para se apresentar e mais para refletir, ela começou a repensar como sua arte poderia contribuir para a indústria do entretenimento.

“A paixão pela produção sempre esteve presente”, disse ela. “Eu percebi – filme, TV, histórias – muitas pessoas estão olhando para essas coisas para trazer luz e qualquer senso de esperança ou alegria.”

Enquanto lia roteiros para novos papéis em potencial na quarentena, ela percebeu que as personagens femininas entre as idades de 15 e 25 anos que ela encontrou não tinham complexidade.

“Esses papéis pareciam muito forçados e um pouco encaixados no que as pessoas pensam que as mulheres estão vivenciando naquela idade e menos no que elas estão realmente vivenciando”, disse Carpenter. “Eu adoraria ser capaz de criar o que estou sentindo e o que sei que tantas pessoas estão sentindo, e espero que alguém neste mundo possa assistir a isso e se sentir inspirado, e se sentir um pouco menos sozinho em seu próprio mundo. ”

Carpenter também deseja criar oportunidades para outras pessoas em seus empreendimentos de produção.

“Eu quero criar papéis para muitas pessoas, especialmente [porque] não consigo necessariamente retratar todos os personagens”, disse ela. “Eu quero criar esse espaço para que diferentes artistas possam contar essas histórias e, então, obviamente, um espaço para mim mesma para criar personagens femininas mais complexas e, com sorte, dar alguma esperança para as pessoas nesta fase de transição.”

Confira abaixo o vídeo completo do painel legendado pela nossa equipe: